Últimas Notícias
Unidade de pronto atendimento recebe melhorias estruturais


Unidade de pronto atendimento recebe melhorias estruturais

UMPA de Santa Luzia também implanta novos serviços 

Desde que a Prefeitura de São Gonçalo assumiu a Unidade Municipal de Pronto Atendimento (Umpa) de Santa Luzia, a unidade vem implantando novos serviços e fazendo melhorias estruturais. Neste ano, várias obras foram feitas e há previsão para outras em 2024, além de novos protocolos de atendimento. Um dos maiores ganhos da unidade é o início do funcionamento do telefone (21) 4040-6923 este mês. Atualmente, a UMPA atende 11 mil pacientes por mês. 

A unidade vai começar 2024 com nova recepção, que terá sala fechada para os funcionários. A sala de medicação adulta ganhou um balcão para a manipulação dos remédios e a de medicação pediátrica foi separada da sala amarela pediátrica. Quatro banheiros da recepção foram reformados. O ambiente também ganhou mais uma sala de classificação de risco, mais um consultório pediátrico e a sala de Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU).

“Estão sendo feitas várias mudanças na recepção. Os funcionários do atendimento inicial ganharam uma sala fechada para terem mais segurança com o trato dos pacientes. Agora, temos duas salas de classificação de risco, agilizando o atendimento. Também colocamos quatro supervisores no salão avaliando os atendimentos, ajudando os pacientes e a administração, já que têm acesso ao sistema através do uso de tablets”, contou Renata Nascimento, coordenadora administrativa da unidade. 

Além das mudanças estruturais, também houve mudança na parte visual da unidade com a colocação de adesivos nas portas e na área externa. Todas as lâmpadas estão em funcionamento e houve aquisição de novos ares-condicionados e cadeiras para o público. Para o próximo ano, há a previsão da troca do castelo d’água, revisão de toda a parte elétrica e mudança do setor de isolamento. 

“A intenção é que a sala amarela ganhe um balcão e tenha entrada para o isolamento. Assim, não precisamos separar um profissional só para o isolamento, otimizando a equipe, que poderá fazer outros atendimentos e ganhamos mais leitos quando o isolamento não estiver sendo usado. As obras são para melhor atender o paciente e dar mais segurança ao funcionário”, explicou a diretora médica, a Dra. Camille Feitoza. 

Embora as obras sejam muito importantes, elas não foram as únicas a serem desenvolvidas. Troca de fluxo de funcionamento e novos protocolos de atendimento já foram feitos e outros estão por vir. A unidade também ganhou nutricionista e passou a aplicar medicação intramuscular sem a necessidade do paciente estar internado. 

“Criamos novos fluxos de estrutura, orientação e capacitação da equipe para agilizar o atendimento e otimizar o uso dos médicos. Um dos ganhos é para o paciente que precisa de medicação intramuscular. Agora, ele pode procurar a unidade para a aplicação, sem a necessidade de ficar internado. Com isso, teremos liberação de leitos e mais qualidade para o paciente. Estamos implementando um protocolo municipal de atendimento de dor torácica, a maior queixa da unidade, e criaremos um novo para o acidente vascular encefálico (AVE), a segunda maior entrada”, descreveu a Dra. Camille. 

A médica ainda lembrou que a unidade reduziu, de forma bem significativa, o tempo de realização do eletrocardiograma (ECG), passando de 60 para 28 minutos. “Mas ainda estamos longe da meta mundial, que preconiza que o ECG seja realizado em até 10 minutos da chegada do paciente à unidade. Acreditamos que, com a implementação deste protocolo municipal, conseguiremos bater essa meta, pois tempo é músculo”, finalizou a doutora.

As melhorias também chegaram ao exterior e ao acesso da Umpa, que passou a ter entrada separada para pedestres, veículos e ambulâncias e ganhou refletores em todo redor da unidade. Com todas as melhorias, a Umpa só viu o atendimento crescer desde a municipalização, que não passava de 7 mil atendimentos e hoje chega a 11 mil pacientes por mês.  





Link Original