Últimas Notícias
Educação de São Gonçalo valoriza raízes indígenas e africanas


Educação de São Gonçalo valoriza raízes indígenas e africanas

Escola em Itaitindiba realiza jogos escolares temático

Raízes indígenas e africanas foram as protagonistas da segunda edição dos Jogos Escolares da Escola Estadual Municipalizada Itaitindiba, em Santa Izabel, unidade de ensino da Prefeitura de São Gonçalo. Nesta quinta-feira (30), a unidade preparou um dia voltado para brincadeiras e uma competição saudável entre os alunos, para celebrar a culminância do trabalho realizado pela escola durante todo o ano.

Foram três arenas temáticas. A primeira, “Tupinambá”, explorou jogos de origem indígena, como “arco e flecha” e “cabo de guerra com cipó”. A segunda, “Iyá”, trouxe os jogos de origem africana, como “terra e mar” e “pula feijão”. A terceira arena, como nome “Mojubá”, trouxe atividades afro-indígenas, celebrando o encontro das culturas, com jogos brasileiros como “escravo de jó” e “bandeirinha”.  

“A gente quis valorizar as experiências e vivências da própria comunidade. Os jogos afro-indígenas vieram porque a maioria da população da região é descendente de Tupinambás e isso é um referencial muito forte aqui. Também temos muito descendentes de africanos, então quis trazer essa temática em conjunto, para que as crianças e famílias se identificassem. Todos os projetos que trabalhamos têm a questão importante da identificação”, contou a professora Nidia Ferreira.

A temática de cultivar a esperança foi muito disseminada durante o ano, para isso, a escola usou o exemplo da semente, muito conhecido pelos moradores da área, que é rural. Todas as brincadeiras foram compostas por materiais naturais encontrados na escola e nos arredores, como sementes, bambu, cipó, pedra branca, sapucaia, gravetos, entre outros elementos.

“O próprio nome Itaitindiba tem origem indígena, e, em Tupi, significa “Pedra Branca”. O local tem muita influência dos povos indígenas. Temos sempre a preocupação de usar elementos em nossas atividades que não prejudiquem o meio ambiente, justamente para não fugir da nossa proposta’, disse a diretora da escola, Adriana Pereira.  





Link Original